Solar, elica e mais! Conhea alternativas de energia limpa para usar na sua casa | Detetive TC


Em meio a um período de altos preços na conta de luz, um dos caminhos para economizar a médio e longo prazo está na busca por fontes alternativas de energia, as quais podem ser instaladas em uma residência ou área maior, sem que sejam poluentes.

Afinal, quais são as principais opções tecnológicas para geração de energia limpa na atualidade e que características marcam cada uma delas? A coluna Detetive TC separou as principais para explicar a você a seguir.

Energia solar heliotrmica



Apesar de muitos acharem que há apenas um tipo de coleta de energia solar, ela pode ser dividida em duas categorias principais. Primeiro, vamos falar sobre a heliotérmica. Ela consiste em uma tecnologia que usa vários espelhos coletores para refletir a luz do Sol.

Essa luminosidade é concentrada em um ponto específico, onde fica um receptor em uma torre central. Este equipamento fica responsável por armazenar a luz solar na forma de calor, ao aquecer materiais específicos.

A elevação da temperatura e a vaporização atuam para movimentar turbinas, responsáveis por transformar a fonte em eletricidade e poder utilizar na sua casa.

Energia solar fotovoltaica



A energia solar fotovoltaica é a mais popular das duas. Ela se trata na instalação dos módulos no telhado ou no solo, nos locais onde há uma maior incidência dos raios solares. Aqui, a luz do Sol é transformada de maneira direta em eletricidade nas residências.

Com a ajuda de integradores – profissionais especializados no assunto –, uma estrutura pode ser instalada em áreas específicas da casa. Os sistemas contam com módulos, inversores, cabos e estruturas de fixação como seus principais equipamentos. As placas fotovoltaicas são ligadas de maneira direta à rede de energia elétrica.

Este se trata de um método que gera pouco impacto ambiental e não precisa de tanta manutenção. Além disso, valoriza o imóvel que o possui e ainda gera economia no bolso, depois de um tempo para recuperação do investimento.

Ainda há o uso indireto do excedente necessário para a sua casa, ao gerar um excedente que pode ser vendido. Vale destacar que o investimento para uma instalação com capacidade intermediária fica na casa dos R$ 20 mil, a depender do local, como já investigamos em uma coluna anterior.

Energia elica



A energia eólica é obtida por meio da força dos ventos. Esta técnica traz algumas dificuldades para ser implantada em qualquer casa. Isso porque precisa de um estudo anterior para saber da velocidade, intensidade e constância dos ventos na região.

Em locais amplos, utiliza-se hélices com duas ou três pás em topo de altas torres. No caso de residências, essas turbinas são substituídas por microgeradores, com pás que se movimentam e ativam o motor. Eles precisam ficar no topo da casa ou do edifício, de preferência, longe de árvores ou outros obstáculos.

O sistema todo realiza a conversão da energia cinética – do movimento – em mecânica, com uma capacidade para chegar até 100 kW de potência.

Biomassa



Aqui temos um exemplo que ainda se mostra uma grande promessa, que apresenta suas dificuldades. A biomassa como fonte é proveniente de sistemas que extraem a energia pela queima de materiais orgânicos.

Eles podem ser desde madeira e bagaço de cana, passando por óleos vegetais, até chegar no lixo biodegradável que você joga na sua casa. O processo para geração energética dependeria de algumas etapas, como a pirólise – a qual consiste na decomposição pelo calor –; a gaseificação – para transformar todo o material em gás; e a combustão – que transforma a energia química em elétrica.

Como sistemas desse tipo ainda não podem ser encontrados em larga escala, o uso da biomassa em residências acaba por ter sua adesão dificultada. No entanto, é considerado promissor para o futuro.



Consumo de energia: como a tecnologia pode ser aliada ou n





Tech
02 Set




Quais s





Economia e mercado
06 Jan


Importncia de energia limpa



A importância da ampliação do uso de tecnologias que forneçam energia limpa para as residências vai além da economia no bolso do usuário. O primeiro está na capacidade renovável delas. Afinal, ventos e luz solar são fontes que não se esgotam, diferentes de carvão e petróleo, no caso das termoelétricas.

Outro está na diminuição da emissão de gases poluentes, como o dióxido de carbono (CO2), os quais colaboram para os fenômenos do aquecimento global e do efeito estufa, ambos com consequências no planeta.

Junto a tudo isso, está no potencial do Brasil de aderir a esses tipos de fontes renováveis e limpas. Um estudo de 2019 do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável já havia apontado a alta de 7.400 para 49 mil imóveis com sistemas fotovoltaicos instalados.

Com a pandemia e o aumento na conta de luz, a tendência é de atrair cada vez mais para investimentos em novos formatos para geração de energia elétrica.

Você já chegou a aplicar alguma dessas fontes de energia limpa na sua casa? Como foi a utilização? Conte a sua experiência para a gente!



Source link

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*