Recursos básicos que faltam no Nintendo Switch


Mesmo com especificações limitadas, o Nintendo Switch é capaz de executar jogos de grande orçamento, disponíveis para outras plataformas como o PlayStation 5, Xbox Series X e Xbox Series S. Inexplicavelmente, o console híbrido até hoje não recebeu uma série de recursos considerados básicos, presentes em concorrentes e até mesmo em gerações anteriores da Nintendo.

Se você planeja comprar um Nintendo Switch em seu quinto ano de vida, fique atento a lista de recursos básicos presentes em outras plataformas, mas que ainda estão ausentes no sistema, nas três versões da máquina (Nintendo Switch padrão, Nintendo Switch OLED e Nintendo Switch Lite). São funções sociais e até mesmo que permitem o jogador acompanhar a progressão das aventuras no console. Confira a nossa seleção abaixo.

8. Chat de voz integrado

Chat de voz no Switch é possível com suporte de aplicativo (Imagem: Divulgação/Nintendo)

Ao contrário dos consoles PlayStation e Xbox, o Nintendo Switch não facilita o bate-papo por voz entre jogadores. Apesar de possuir uma entrada para fones de ouvido no modo portátil e permitir a conexão de dispositivos bluetooth, o híbrido não possui suporte ao chat nativamente, obrigando jogadores a apelarem para soluções externas como Discord ou o aplicativo do serviço de assinatura Nintendo Switch Online.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A título de comparação, os PS5 e Xbox Series X|S, como na geração anterior, possuem integração ao chat inclusive no controle, bastando o jogador conectar um fone ao periférico.

7. Virtual console e retrocompatibilidade

Solução para retrocompatibilidade foi trocada por estratégia de venda de remasterizações e serviço pela Nintendo (Imagem: Captura de Tela/Canaltech)

Super Mario e The Legend of Zelda são franquias da Nintendo com mais de 30 anos de idade e uma infinidade de jogos lançados. No entanto, boa parte da biblioteca dessas séries, como de outras da empresa japonesa, não podem ser jogadas no Switch.

Diferente de outras gerações, o híbrido não possui o Virtual Console, serviço que comercializa e permitia a migração de títulos antigos para o Wii, Wii U e Nintendo 3DS. A estratégia atual da Nintendo tem sido atrelar a retrocompatibilidade com o serviço de assinatura Nintendo Switch Online e relançar, ao sugestivo preço de R$ 299, jogos antigos remasterizados como The Legend of Zelda: Skyward Sword HD.

6. Aplicativos multimídia

Netflix já esteve disponível no Nintendo 3DS (Imagem: Divulgação/Nintendo)

Demorou alguns anos para o Nintendo Switch receber aplicativos multimídia e de streaming. O YouTube chegou em 2020 e a Twitch apenas em 2021. A grande realidade é que os donos do console possuem pouca alternativa para executar na máquina além de jogos. Aplicativos como Netflix, Crunchyroll, Disney+ e Spotify são apenas pedidos antigos da comunidade, sem nenhuma previsão para estrearem no videogame da Nintendo.

Entretanto, essa disponibilidade depende mais das empresas responsáveis pelos serviços do que da própria Nintendo. Mas, com o console já tendo superado a marca de 92 milhões de unidades vendidas, o que mais precisa acontecer para provar a demanda para estes aplicativos?

5. Suporte de idioma para português do Brasil

Mario Party Superstars é um dos poucos jogos da Nintendo para Switch com português do Brasil como idioma (Imagem: Divulgação/Nintendo)

O Nintendo Switch possui menus e configurações disponíveis em Português do Brasil. O suporte ao nosso idioma, no entanto, está restrito às telas iniciais do console. Enquanto empresas como Sony, Microsoft e Capcom apostam em dublagens e legendas para o público brasileiro, a Nintendo caminha lentamente no processo.

Com Mario Party Superstars como a única exceção entre os exclusivos do console, a maioria esmagadora dos jogos da Nintendo não possui o português brasileiro como opção de idioma e a empresa parece não se preocupar em mudar o cenário. Os jogadores brasileiros, no entanto, continuam realizando campanhas sobre o assunto nas redes sociais.

4. Temas para página inicial e personalização do console

Nintendo Switch não possui temas personalizáveis (Imagem: Divulgação/Nintendo)

Nada mais legal do que gostar muito de um jogo e customizar a interface do console com temas e papéis de parede temáticos. Donos de Nintendo Switch devem se contentar com opções muito restritas de personalização da tela inicial.

O aparelho apenas permite que o jogador escolha um avatar para o perfil dentro de uma seleção disponibilizada e alterne as cores de interface entre um tema escuro e outro claro. Opções extras, vistas em consoles concorrentes, e até a opção de organizar a ordem dos aplicativos no menu inicial, ficaram de fora do sistema, mesmo na versão 13.0.

3. Conquistas

O Switch possui funções sociais extremamente limitadas. Para adicionar um amigo, é necessário ainda recorrer ao “neandertal” código de jogador, mas o sistema está lá e funcionando. O que é muito estranho até hoje é a Nintendo se recusar a implementar qualquer sistema de conquistas. Enquanto consoles da Sony estimulam o jogador a explorar jogos ao máximo em busca da platina e a Microsoft até oferece recompensas nesse processo, a Nintendo não tem qualquer marcação para os feitos dentro de um jogo.

2. Mais opções para registrar e compartilhar capturas de tela

Controle de Switch tem botão dedicado para realizar capturas de tela (Imagem: Enrique Vidal Flores/Unsplash)

Você se impressiona com um cenário ou cena de um jogo no Switch. Resolve tirar uma captura de tela ou registrar um vídeo para guardar e postar nas redes sociais. O primeiro obstáculo será de duração. O Switch não permite gravações que superam 30 segundos, enquanto aparelhos como PlayStation 5 deixam o jogador até mesmo resgatar as últimas horas jogadas.

A programação do videogame também não conta com opções substanciais de edição para fotos e vídeos registrados no console, como veremos a seguir. As opções de compartilhamento são limitadas, sendo possível apenas publicar as imagens no Twitter ou Facebook, ou ainda enviá-las para um smartphone. Não há como enviar as imagens para um endereço de e-mail e muito menos transferir para um pen drive.

1. Conexão com a nuvem

Um bom sistema de nuvem poderia ajudar no recurso anterior. No Xbox, por exemplo, é possível transferir imagens e vídeos do console para o OneDrive (embora este método não seja o mais adequado, porque ocasionalmente pode gerar erros e lentidão na transferência).

Além disso, dezenas de jogos do Nintendo Switch não possuem suporte para o salvamento de dados na nuvem, serviço que está atrelado a uma assinatura do serviço Nintendo Switch Online. Um exemplo é o popular Animal Crossing: New Horizons — confira a lista completa aqui.



Source link

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*